Narcisismo Maligno e Violência na Relação

No início da década de 50 do século passado, as audiências femininas vibraram com Stanley Kowalsky, o personagem interpretado por Marlon Brando no filme Um Eléctrico Chamado Desejo realizado por Elia Kazan e baseado na peça homónima de Tennessee Williams. O protagonista deixava de ser o herói romântico galanteador para ser um homem bruto, alcoólico, capaz de agredir a mulher para depois implorar pelo seu amor. A relação física e emocionalmente abusiva é tolerada pela sua componente erótica, o poder manipulador e animalesco de Stanley conduz Stella à irresistibilidade do ato sexual e à submissão.

O personagem de Brando marcou toda uma geração e reforçou um arquétipo socialmente permitido do poder discricionário do homem face à mulher na relação íntima. O desejo masculino/feminino heterossexual confundiu-se com uma ideia de posse/submissão transformando a mulher num objeto dependente suscetível de ser violentado para poder usufruir do prazer último da sexualidade, ficar à mercê do parceiro dominador.

Continuar a ler

Anúncios

Narcisismo e a Impossibilidade do Amor

Muitas pessoas recorrem à terapia por se sentirem sozinhas ou incapazes de encontrar alguém para estabelecer uma relação amorosa. Outras assumem que não desejam estar em relação, não acreditam no amor, ou investiram em relações que as deixaram ainda mais frustradas e desacreditadas na possibilidade de amar alguém. Um jovem paciente chegou-me mesmo a dizer que não sabia o que era o amor já que nunca tinha estado apaixonado e agora numa tentativa de relação não sabia como identificar o sentimento amoroso.

Num mundo pautado pelo individualismo, competitividade e pelo sucesso profissional, o Outro surge muitas vezes como acessório ou para cumprir uma função do Eu. As pessoas procuram outras para não sentir a solidão, para confirmar a sua verdade, para ter sexo, para ser admiradas, para ter poder e ser objecto de inveja dos demais, para dormir acompanhadas, para não sentir angústia, para imaginar que têm uma relação.

Continuar a ler